domingo, 8 de novembro de 2009

Problemas associados da lesão medular


Úlceras por Pressão

Uma das complicações comuns e debilitantes encontradas em pacientes com lesão medular são as úlceras por pressão, conhecida como escaras,que podem ser responsáveis por hospitalizações e longos períodos de imobilidade.

Circulação adequada de sangue no corpo é fundamental para manter viva a pele. Quando a circulação é interrompida por tempo prolongado, as células morrem e surgem úlceras. Elas surgem, geralmente, nas áreas onde os ossos são pouco protegidos por músculos (Figura 4). As causas mais comuns são a pressão do colchão, de um assento de cadeira ou de alguma superfície dura em contato com a pele. Ficar muito tempo sobre uma cama ou cadeira em uma mesma posição leva a um aumento de pressão sobre a pele. Ao mesmo tempo, o peso do corpo empurra os ossos contra os vasos sanguíneos. Com esta pressão de fora para dentro e de dentro para fora, a circulação sanguínea pode ficar prejudicada em uma determinada região e surge a úlcera por pressão.

Se as úlceras não forem bem cuidadas, elas vão ficando cada vez maiores e mais profundas, comprometendo os músculos e podendo chegar até os ossos. Freqüentemente, as úlceras infeccionam e, se a infecção chegar até os ossos, a cura é extremamente difícil. Uma das principais causas de morte em pessoas com lesão medular são as úlceras por pressão.

O aparecimento das úlceras pode ser evitado através de cuidados simples com a pele e o corpo. A pele deve ser sempre observada, principalmente as áreas que recebem maior pressão. As úlceras geralmente se iniciam como pequenas áreas avermelhadas que podem ficar arroxeadas em pouco tempo até se transformarem em uma pequena ‘ferida’. Aliviar a pressão sobre a pele quando na cama ou cadeira de rodas periodicamente (Figura 5), fazer uso de alimentação saudável, ingerir dois a três litros de líquidos por dia, manter a pele limpa e seca e usar roupas leves e confortáveis são medidas que auxiliam a prevenção das úlceras por pressão.

Disfunção Urinária

A maioria das pessoas com lesão medular não possui controle urinário normal. O sistema urinário é responsável pela produção, armazenamento e eliminação da urina e é formado pelos rins, ureteres, bexiga e uretra (Figura 6). A urina é produzida pelos rins. Depois que os rins produzem a urina, esta passa pelos ureteres e é armazenada na bexiga. A bexiga é como um ‘saco muscular’. Quando ela enche, os músculos da bexiga se contraem e a urina é eliminada através da uretra. No momento em que os músculos da bexiga se contraem o esfíncter da uretra, que também é um músculo, se relaxa para facilitar a saída da urina. Normalmente ocorre um funcionamento sinérgico entre a bexiga e a uretra, ou seja, durante o enchimento, a musculatura da bexiga está relaxada para acomodar a urina proveniente dos rins, enquanto o músculo do esfíncter da uretra está contraído para evitar a saída da urina coletada na bexiga. Ao contrário, quando a bexiga se contrai para eliminar o seu conteúdo, o esfíncter relaxa para permitir a eliminação da urina. Para isso acontecer normalmente, é preciso haver coordenação entre os músculos da bexiga e do esfíncter da uretra. Quando este trabalho não ocorre de maneira integrada, acontece o que se chama dissinergismo vésico-esfincteriano, situação que contribui para a ocorrência de complicações. Se a bexiga e o esfíncter se contraírem ao mesmo tempo, haverá um esforço maior da musculatura da bexiga para conseguir vencer a resistência do músculo da uretra. Este esforço leva, com o tempo, a um enfraquecimento da parede da bexiga e a formação de divertículos que acumulam urina residual, diminuindo a resistência a infecções, favorecendo a formação de cálculos e o refluxo de urina da bexiga para os rins, colocando em risco a função renal.

O cérebro e a medula espinhal são responsáveis pelo trabalho coordenado entre a bexiga e o esfíncter uretral garantindo o controle urinário. Uma lesão medular pode comprometer a comunicação entre o cérebro e o sistema urinário e a eliminação da urina armazenada na bexiga deixa de ser automática.

Se a lesão for incompleta, é possível haver recuperação parcial ou até total com o tempo. Mas até que esta recuperação aconteça, a utilização de alguma técnica para esvaziar a bexiga pode ser necessária.

Dependendo do nível da lesão medular, a bexiga pode passar a ter dois tipos de comportamento:

a) Passa a acumular uma quantidade menor de urina do que antes da lesão medular e os músculos da bexiga passam a ter contrações involuntárias com perdas freqüentes de urina – bexiga espástica, comum nas lesões medulares acima do nível sacral (acima de T12).

b) Passa a acumular uma quantidade maior de urina do que antes da lesão medular porque os músculos da bexiga não se contraem mais e isto faz com que grande quantidade de urina fique retida dentro da bexiga, muito acima da capacidade normal - bexiga flácida, comum nas lesões medulares ao nível sacral (abaixo de T12).

O diagnóstico do tipo de bexiga é importante para a definição do tipo de tratamento que, de qualquer maneira, tem como principais objetivos: manter a bexiga com baixa quantidade de urina e com baixa pressão em seu interior, evitando o refluxo de urina da bexiga para os rins, prevenir infecções urinárias, promover a continência e preservar a função dos rins.

O método mais utilizado para esvaziamento da bexiga é o cateterismo intermitente. A técnica é simples e pode ser aprendida facilmente. O cateterismo intermitente é um procedimento no qual é introduzido um catéter (tubo) limpo através da uretra, para esvaziar a bexiga, a cada três ou quatro horas durante o dia, procurando manter a pressão dentro da bexiga em níveis normais e evitando as perdas urinárias. Se, mesmo com o cateterismo realizado adequadamente, continua havendo perdas, existem medicações que interferem na contração ou no relaxamento da bexiga ou da uretra que, associadas ao cateterismo, vão permitir melhores condições de armazenamento e esvaziamento.

Disfunção Intestinal

A lesão medular determina, também, alterações do controle intestinal. Nas lesões de nível mais alto, o distúrbio está principalmente relacionado com inatividade da parede intestinal (tendência a constipação crônica) e nas lesões mais baixas com incontinência (tendência a eliminação acidental de fezes). Embora na maioria das lesões medulares não seja possível a recuperação do controle intestinal, um programa de reeducação pode fazer com que o intestino funcione sempre em um mesmo horário, tornando mais fáceis as atividades fora de casa.

As regras básicas para a reeducação intestinal são: dieta rica em fibras vegetais, ingestão adequada de líquidos (2 a 2,5 litros por dia), realizar exercícios diariamente, ter um horário programado para estimular o funcionamento do intestino, fazer massagem abdominal no sentido horário no momento do esvaziamento, e, quando necessário, usar laxante, o mais natural possível. Se as orientações apresentadas não forem efetivas, a utilização de recursos tais como estimulação digital com luvas, supositórios e enemas serão necessários. Todos estes procedimentos devem ser orientados pelo médico.

Disreflexia Autonômica

Disreflexia autonômica é uma complicação freqüente nas lesões cervicais e pode ocorrer também nas lesões medulares acima de T6. Qualquer estímulo que, normalmente, causaria dor e desconforto na pessoa sem lesão, na pessoa que não sente por causa de uma lesão medular pode causar uma crise de disreflexia. As causas mais comuns são bexiga ou intestinos cheios e distendidos.

Os sintomas mais freqüentes de disreflexia autonômica são: dor de cabeça, enxergar pontos brilhantes, visão borrada, arrepios acima do nível da lesão, sudorese acima do nível da lesão, manchas vermelhas na pele acima do nível da lesão, obstrução nasal e freqüência cardíaca baixa. Pressão arterial elevada e descontrolada é a conseqüência mais perigosa. A disreflexia á uma emergência médica e requer atendimento médico.

Trombose

Quando o corpo não é movimentado regularmente, existe a possibilidade de ocorrer o aparecimento de um coágulo de sangue chamado trombo. O trombo formado na perna pode se desprender e viajar para outras partes do corpo. Se isto ocorrer, ele passa a ser chamado de êmbolo e um dos lugares mais comuns para um êmbolo se hospedar é o pulmão (embolia pulmonar).

Os sinais mais freqüentes de trombose são: panturrilha ou coxa de uma das pernas mais quente e mais edemaciada (inchada) do que a outra. Na presença destas alterações, avaliação médica e tratamento adequado se fazem necessários.

Embolia Pulmonar

Os principais sintomas de embolia pulmonar são: diminuição repentina da respiração, dor no peito ou nas costas e tosse de aparecimento súbito. Havendo suspeita de embolia pulmonar, deve-se procurar o pronto socorro imediatamente.

Siringomielia

Alguns pacientes com lesão medular, meses a vários anos após a lesão passam a apresentar dor, ascensão do nível sensitivo ou motor (como por exemplo um paciente paraplégico que passa a apresentar dormência, atrofia e fraqueza em uma das mãos), acentuação da espasticidade (tônus muscular aumentado), mudança do padrão urinário (de urgência, passa a apresentar retenção), alteração da sudorese, ou, até mesmo, queixas como disfagia (dificuldade de deglutição). Em muitos deles, os exames de imagem mostram a formação de cavidades intramedulares, que se estendem por vários níveis, acima e abaixo da lesão traumática, e que recebem o nome de siringomielia pós-traumática. Considerada rara no passado, a partir do advento da ressonância magnética, a prevalência de siringomielia em pacientes com lesão medular tem sido estimada em torno de 8 por cento. O tratamento pode demandar procedimento cirúrgico.

Distúrbios do Humor

Distúrbios do humor, particularmente depressão, são freqüentes em pacientes com lesão medular. A integração precoce em programas de reabilitação e socialização incluindo atividades esportivas diminui a prevalência de depressão e ansiedade.

17 comentários:

  1. eu não imaginava que as dificuldades de um cadeirante fossem tantas ,é de fato preciso ter muito vontade de viver e superação acho que é a palvra chave.

    ResponderExcluir
  2. me chamo livia, conheci uma pessoa cadeirante na qual estou apaixonada e vice versa, como nunca tive informaçoes sobre a dificuldade de um cadeirante, estou me informando muito agora pois temos a pretensao de casarmos, e sermos felizes,quero estar preparada para tudo.. essa materia me ajudou muito nao imaginava tantos problemas assim..muito bem.. obrigada

    ResponderExcluir
  3. Me chamo Marilene e á 2 anos atráz meu marido sofreu acidente de carro e está tetraplégico até o moment.Lesionou a c6 e a c7, e está muito difícil superar tudo isso, apesar de tudo ter melhorado, pq ele ficou meses internado e até na UTI e achei que ele não fosse sobreviver, agora ele tem 41 anos e eu 42 e gostaria de saber como fazemos para ter uma vida sexual novamente, pq desde o acidente não temos, e tb pelas infecções!!

    ResponderExcluir
  4. querida Marilene pega meu e-mail séra melhor te explicar, abraço!!!
    willrn2007@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Caro will,informe bastante esclarecdedor mas, qual e a sua formacao.Fiz programa de reabilitacao pos lesao medular em um Hospital especializado na area em especifica.Independente das mudancas que ocorrem apos a lesao medular e possivel sim, vc ter uma vida sexual ativa.E buscar orientacao com medico especialista.
    Raimundo Souza,Professor e Filosofo paraplegico desde 1997.

    ResponderExcluir
  6. Will sou casada com um paraplegico que sofreu tambem um acidente de moto,tem 7 anos que ele se acidentou e temos 3 anos de casado...Posso te add para que ele entre em contato com vc? Risia Montanha ES

    ResponderExcluir
  7. pode sim Risia!
    willrn2007@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. WILL SOU CASADA A 8ANOS, E MEU MARIDO SOFREU UM ACIDENTE DE CARRO E ESTA PARAPLEGICO. NO MOMENTO GOSTARIA DE OBTER MAS INFORMAÇÃO SOBRE UMA VIDA DE UM CADEIRANTE SE VÇ PODER MIM AJUDAR?

    ResponderExcluir
  9. ola will mim chamo ana luiza
    sou completamente apaixonada por um cadeirante, ele levou uma facada e decorrencia disso se tornou cadeirante.nunca mim relacionei com um cadeirante,
    as vezes é muito dificil lhe da com ele,pois ele esta sempre desconfiado,sempre mudando de humor e as vezes penso ate em desistir.e tbm não tivemos relaçoes sexuais ainda e por isso ele acha que não quero ficar com ele. um cadeirante pode ter uma vida sesual normal em todos os sentidos??
    ai esta meu e-mail : luizia18@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Oi, Will sou Edienne Sarmento; mestranda; estou desenvolvendo um estudo com pessoas com lesao medular e gostaria muito de lhe conhecer.
    Contato: enesarmento@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Will, a pesquisa já foi aprovada pelo comitê de ética posteriormente entro em contato com vocês para agendarmos a entrvista, obrigado pela sua colaboração você nao imagina o quanto é importante sua participação, assim como de todos os seus amigos do time.
    Att. Edienne Sarmento, contato: enesarmento@hotmail.com

    ResponderExcluir
  12. ola meu esposo sofreu uma lesão medular devido a uma infecção,os médicos demoraram muito para operar e ele perdeu os movimentos da cintura para baixo , mas pior ainda e que ele não consegue urinar, só através de sonda, ele ainda esta internado e quando receber alta o q fazer existe algum método sem ter q usar sonda agradeço zi.94@hotmail.com

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de saber sobbre tudo sobre os tetraplegicos. Sou tetraplegico pOr causa de um tiro na c3 tiaguinhocaetano2@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. Gostaria de saber sobbre tudo sobre os tetraplegicos. Sou tetraplegico pOr causa de um tiro na c3 tiaguinhocaetano2@gmail.com

    ResponderExcluir
  15. Olá.
    Eu queria saber, se ao invés de ficar tirando sempre a urina e fezes... Sem pode colocar uma sonda de longa data...
    Se pode ao invés de tirar as fezes com a mão/ o dedo; tomar um laxante p/ ir logo ao banheiro.
    Agradeço se puderem esclarecer.

    ResponderExcluir
  16. Olá tenho um filho que está paraplégico a 6 meses gostaria de conversar com você e tirar algumas dúvidas meu e-mail antonia.joce@gmail.com

    ResponderExcluir